O Bom Pastor:

Formação do Clero da Arquidiocese de Braga

28.2.07

Ser livre no dom de si próprio



“O individualismo trouxe a corrupção do conceito e exercício da liberdade. A liberdade pessoal aparece, frequentemente, como afirmação de si próprio e dos interesses egoístas e não como capacidade de se dar ao outro numa relação afectiva profunda e definitiva.
Numa sociedade em que o ideal de vida é a independência, as relações conjugais e familiares são vistas como uma pesada carga que rouba a liberdade e que é causa de sofrimento e de infelicidade. Esta deformação do significado da liberdade tem introduzido perturbações graves no seio da vida familiar, quer na relação do casal quer na relação entre pais e filhos. A família torna-se, assim, um conjunto de indivíduos com direitos e deveres regulados pela Lei, e não uma comunidade de vida e amor, onde o exercício da liberdade se traduz no dom de si próprio, na partilha, na solidariedade e no serviço feito por amor.”
(Carta Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, A Família, esperança da Igreja e do mundo, Maio 2004, nº 17)

A família enfrenta muitas vezes dificuldades de relacionamento, que não sabe diagnosticar, enfrentar nem resolver.
• A delicadeza das circunstâncias exige muitas vezes presença sem intromissão. Como poderemos ajudar estas famílias disfuncionais a encontrar-se e descobrir a riqueza da vida familiar?
• As famílias alargadas e comunidades coesas desempenham um importante suporte para apoiar famílias disfuncionais ou em crise. Como poderemos fomentar o estabelecimento destas redes de suporte?
• Até que ponto as falsas ideias de liberdade são, para nós, contrárias aos compromissos do casal e prejudicam uma atitude de entrega?


P.e Domingos Paulo Oliveira

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home