O Bom Pastor:

Formação do Clero da Arquidiocese de Braga

5.1.07

Aporias de um debate (2)

(fotografia de Anne Geddes)

A Igreja recusa-se a enveredar por uma mera campanha pelo “não” ao aborto. O seu horizonte é o de uma atitude firme, coerente, permanente, dialógica pelo “sim” à vida. A opção, a ser gravada no coração, na consciência e a ser traduzida em iniciativas e instituições, não é “campanha contra o aborto” e muito menos lançar o anátema e o labéu sobre as mulheres que vivem tão dramáticas provações, mas sim uma opção a favor da vida, na sua integralidade e universalidade. O título da Nota Pastoral do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (19.10.2006) é, a este propósito significativo: Cinco razões para escolher a vida. Não é Razões para condenar o aborto!
Afirmando, com clareza pedagógica e doutrinal, a gravidade moral do aborto procurado e desmascarando lucidamente o eufemismo convencional de Interrupção Voluntária da Gravidez, visa-se não condenar, marginalizar, ostracizar quem quer que seja, mas oferecer a avaliação, o juízo a nível da ética inscrita na natureza e confirmada na revelação de Deus, não apenas no cristianismo mas também nas outras religiões monoteístas, como o judaísmo e islamismo e nas “religiões” orientais.
A Igreja Católica, naturalmente acentua a diferença das suas concepções, na fidelidade irrecusável à sua missão, mas em diálogo aberto com as Igrejas cristãs irmãs (diálogo ecuménico), com as outras religiões monoteístas ou não (diálogo interreligioso) e em diálogo interno e com o mundo contemporâneo (os não-crentes), que não comunga do espírito religioso, ora sendo hostil ora simplesmente indiferente ao facto religioso. Mas neste último caso, é a própria Igreja que não deixa de reconhecer, nestas atitudes, aspirações não confessadas de espiritualidade. Estes cinco diálogos, propostos pela Encíclica inaugural do pontificado do sábio e santo Papa Paulo VI, Ecclesiam Suam, encontraram a confirmação na Constituição pastoral Gaudium et Spes, na Constituição dogmática Lumen Gentium e em vários Decretos do Concílio Vaticano II, nomeadamente sobre a Liberdade religiosa (Dignitatis Humanae), sobre a Unidade dos cristãos (Unitatis Redintegratio), sobre o diálogo com as religiões não-cristãs (Nostra Aetate). Julgo que, a mais de 41 anos do encerramento do Concílio, estes textos mantêm grande parte da sua profecia e de relevância actual. Temo que os tenhamos esquecido perdendo assim uma fonte notável, diria providencial, para equacionarmos com propriedade muitos dos dramas hodiernos, que nos desafiam a pensar e a agir.
Afirmar em praça pública que a Igreja anda a reboque de campanhas e de acontecimentos pontuais ou é má-fé ou ignorância! Mas não será uma ignorância desculpável ao darmo-nos conta de que até os cristãos os ignoram? Seria bom e útil retomar essas referências, dando tempo à leitura e ao pensar, sem precipitações sempre desaconselháveis mesmo na urgência dos tempos e dos problemas. Talvez assim se viesse a ganhar tempo em futuros debates.

Luís Esteves
(estes artigos são publicados às terças e sextas feiras
no jornal Diário do Minho)

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home