O Bom Pastor:

Formação do Clero da Arquidiocese de Braga

27.8.06

Simpósio do clero em Fátima: «A vida do presbítero: vocação à perfeição e conselhos evangélicos (PO 12-17)»



É significativo que o autor da proposta desta série de textos de preparação para o Simpósio do Clero tenha escolhido para título da reflexão de hoje “A vida do presbítero: vocação à perfeição e conselhos evangélicos” e não “A vida espiritual do presbítero…”. Trata-se, por isso, de olhar a vida toda, unificada pela relação fundante com Cristo e com a Igreja, para que não aconteça aos presbíteros aquilo que o Padre Anselmo Borges dizia dos cristãos em geral: uma cisão entre a vida propriamente dita e uns “enclaves de beatice”.
Ainda há poucas semanas, numa conversa entre padres, falando sobre a questão dos bens materiais e do direito legítimo que os padres diocesanos têm de possuir e administrar tais bens, seja porque os adquiriram com o seu trabalho seja porque os herdaram de família, um dizia: “Eu sou dono daquilo que me pertence e ninguém tem nada a ver com isso”; ao que outro interpelou: “E tu, a quem pertences? A quem pertence o que dizes ser teu?” Este é o programa que, segundo me parece, tem a duração de toda a existência: unificar a vida de modo a que todas as suas dimensões (oração, afectividade, sexualidade, família, amigos, ministério, bens materiais, férias, etc…) sejam “propriedade” de Cristo e ordenadas para o exercício do ministério presbiteral na Igreja. Neste sentido, só podemos concordar com a conhecida afirmação: “O padre é um ser expropriado”!
“Expropriação” que nada tem de heróico nem tão pouco de jugo pesado, mas alegre participação – o mais das vezes inadequada – no dom que gratuitamente Cristo Bom Pastor faz de si mesmo para dar a vida a cada um daqueles que o Pai lhe confia. Cristo não desertou do seu rebanho; não o legou em herança a nenhum dos seus ministros nem à Igreja no seu conjunto. Ele permanece no meio dos seus, como o único doador da vida. Se alguma coisa os presbíteros realizam, só o podem fazer porque permanecem unidos a Cristo, pois “sem mim nada podeis fazer” (Jo 15, 5). É este amor de pastor (caridade pastoral) que caracteriza e unifica a vida do presbítero.
A perfeição – ou a santidade (aqui tomada como sinónimo) - vocação de todos os baptizados, como nos ensina o Concílio Vaticano II: “Todos os fiéis de qualquer estado ou condição são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade” (LG 40) é, portanto, um caminho a percorrer no interior da vida presbiteral e não numa via alternativa ou paralela: “Os presbíteros alcançam a santidade, de maneira autêntica, pelo exercício do seu ministério, desempenhado sincera e infatigavelmente no Espírito de Cristo” (PO 13).
A esta luz se podem compreender melhor os conselhos evangélicos – pobreza, castidade e obediência - como expressão privilegiada da entrega (dádiva) de toda a vida polarizada nestas três dimensões centrais que a caracterizam: o possuir, a afectividade (e sexualidade) e o poder. Esta proposta de vida evangélica, se bem que dirigida a todos os cristãos sem excepção, encontra nos presbíteros uma conexão particular, “não só porque estão na Igreja, mas também porque se encontram à frente da Igreja, enquanto configurados a Cristo Cabeça e Pastor, habilitados e empenhados no ministério da Ordem e vivificados pela caridade pastoral” (PDV 27).
Muito mais que um estado de perfeição pré-definido ou um conjunto de requisitos para o ministério ordenado, a vivência dos conselhos evangélicos apresenta-se como um caminho de configuração existencial com Cristo Pastor, onde cada um faz na sua própria vida a experiência da misericórdia de Deus. A nossa força não reside na vivência perfeita dos conselhos evangélicos, tão pouco no sucesso de uma boa organização pastoral, mas no amor do Bom Pastor que toma sobre si as nossas vidas feridas e dispersas. “Se não te lavar não terás parte comigo” (Jo 13, 8), dizia Jesus a Pedro. Quem assim consente ao paciente cuidado com que Cristo o configura, na consciência da sua própria necessidade de misericórdia, pode oferecer aos seus irmãos um coração capaz de os compreender e deles se compadecer.

P. Luís Gonzaga Marinho
(Director espiritual do Seminário Maior de Braga)

2 Comments:

  • phentermine - health insurance - debt consolidation - home equity loans Nice comment.. I ll come back for sure :]

    By Blogger Sandra White, at 6:20 da manhã  

  • Sou um leigo perplexo e preocupado, que se interroga.
    Qual a razão da nula participação do clero, nos desafios lançados por este blogger?
    Quanto a mim, criação deste espaço é um enorme desafio á capacidade dos sacerdotes se exporem, e fraternalmente partilharem entre si experiencias e vivencias espirituais e humanas que poderao servir, como modelo a nós leigos de uma verdadeira disponibilidade para com Deus.
    Tenho lido com algum cuidado os diversos posts, e é impossivel que alguns sacerdotes não se sintam motivados, para partilharem as suas reflexões e opiniões.
    Num forum aberto como é a Internet, julgo que uma preocupação devem ter presente.
    Que pensam os leigos da nossa apatia?
    E já agora uma pergunta, com algumas variaçõs.
    No tempo actual que espera um sacerdote de um leigo?
    Como crente, como colaborador, como amigo como homem.

    Que a Senhora do Sim vos Proteja

    By Anonymous HVS@PORTUGALMAIL.COM, at 1:24 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home